domingo, 6 de maio de 2012

Dia das Mães

Da Minha Mãezoca e de todas as Mães que dela brotaram real e potencialmente .


Filhas foram duas.
Netas duas + as mulheres dos netos.
Bisnetas seis.
O resto? Bem o resto pertence a secção dos Pais.
Feliz Dia, Mães da minha árvore genealógica e não só, todas as que me visitam.

12 comentários:

  1. Com uma família assim os dias devem ser todos de felicidade.De toda a maneira desejo-te que este seja, se possível, ainda melhor.

    Beijinhos para todos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes as aparências iludem. Tantos e tão espalhados pelo mundo.
      Por isso me permito juntá-los assim... em fotos.

      Beijossss para ti Ju

      Eliminar
  2. De mãe para mãe, deixo um abraço e votos de feliz dia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Virinha,

      Já encontrei solução p0ara ti. Espero que leis isto.

      1º Vais ao "Design" (lado direito)
      2º Clicas em Esquema (lado esquerdo)
      3º Onde aparece a caixa do texto, clicar em "Editar" e aí fazer as opções que mais convém, nomeadamente "Mostrar botões de Partilhar".

      É isso????

      Abraço

      Eliminar
  3. Amiga Tite, sou filha única portanto não divido o amor da minha mãe com ninguém :)

    Feliz dia para ti também!

    beijinhos de uma mãe :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Fê,

      Não partilhas a Mãe mas és/vais ser partilhada, ou eu me engano muito. :-)

      Estou certa ou estou errada?

      Jinhos grandes

      Eliminar
  4. Vivam todas as mulheres da(s) família(s) mães ou não mães!

    Beijinhos feministas... ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E tem a Gracinha muita razão.

      Beijarocas

      Eliminar
  5. Merece um poema

    "POEMA À MÃE" de Eugénio de Andrade.

    No mais fundo de ti
    Eu sei que te traí, mãe.

    Tudo porque já não sou
    O menino adormecido
    No fundo dos teus olhos.

    Tudo porque ignoras
    Que há leitos onde o frio não se demora
    E noites rumorosas de águas matinais.

    Por isso, às vezes, as palavras que te digo
    São duras, mãe,
    E o nosso amor é infeliz.

    Tudo porque perdi as rosas brancas
    Que apertava junto ao coração
    No retrato da moldura.

    Se soubesses como ainda amo as rosas,
    Talvez não enchesses as horas de pesadelos.

    Mas tu esqueceste muita coisa;
    Esqueceste que as minhas pernas cresceram,
    Que todo o meu corpo cresceu,
    E até o meu coração
    Ficou enorme, mãe!

    Olha - queres ouvir-me? -
    Às vezes ainda sou o menino
    Que adormeceu nos teus olhos;

    Ainda aperto contra o coração
    Rosas tão brancas
    Como as que tens na moldura;

    Ainda oiço a tua voz:
    Era uma vez uma princesa
    No meio do laranjal...

    Mas - tu sabes - a noite é enorme,
    E todo o meu corpo cresceu.
    Eu saí da moldura,
    Dei às aves os meus olhos a beber.

    Não me esqueci de nada, mãe.
    Guardo a tua voz dentro de mim.
    E deixo as rosas.

    Boa noite. Eu vou com as aves.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Rogério,

      Tenho que te agradecer este poema do grande Eugénio de Andrade.
      Se imaginasses o quanto me identifico com eles, Poeta, Poema e Mãe.

      Obrigada do fundo do coração

      Eliminar
  6. Da minha que já partiu, duas filhas, quatro netos, dos três que felizmente cá estão, dois com duas filhas cada e o meu com um rapaz!
    As raparigas não querem nada comigo! :-))

    Abraço

    ResponderEliminar
  7. Tem calma querida RV, eu desejei tanto ser Avó até julgar que não ía ter essa sorte. Eis, senão quando, no mesmo ano tive as duas primeiras netas uma de cada filho e o resto veio... naturalmente :)

    Abraço

    ResponderEliminar



Agradeço a vossa visita e os vossos comentários.

Volte sempre!!!!!!